//A Prefeitura

O município de Matriz de Camaragibe desenvolveu seu núcleo, enquanto povoado, no então Alto do Outeiro, hoje Alto da Igreja Velha, onde está instalado um cruzeiro. Ao receber como doação de sua irmã, Dona Brites Pimentel (grande proprietária de terras e de sete engenhos de açúcar) um de seus engenhos na povoação de Camaragibe, José de Barros Pimentel, já em sua primeira visita, doou uma parte de suas terras a Gonçalo Moreira, para que fosse construída a Igreja de Bom Jesus.

A lei provincial 417, de 09 de julho de 1864, transferiu a sede paroquial para a cidade de Passo de Camaragibe, permanecendo assim até 1888, quando o presidente José Cesário de Miranda Monteiro de Barro restaurou a freguesia do Senhor Bom Jesus na vila de Camaragibe, através da lei provincial 1047, de 29 de dezembro.

Até 1950 era vila do Passo de Camaragibe.

Em 1958, através da lei 2093, passou a ser município. Uma das curiosidades da história de Matriz é ter sido uma das únicas cidades do interior que chegou a ter imprensa própria. Em 1880 circulava "O Camaragibe"; em 1883, o "Atalaia". Finalmente, em 1957, foi criado o "Jornal da Matriz", grande defensor da ideia da emancipação. Hoje, Matriz de Camaragibe (conhecida como a "Princesa do Norte") tem, entre suas grandes atrações os banhos de cachoeiras, nas fazendas Serra D'Água e Santa Maria, temos uma belíssima Praça, no centro da cidade, destacam-se ainda as festividades do carnaval e juninas.